AMCHAM – Seis passos para implementar um processo de gestão de mudança na sua empresa

A mudança de mercado nem sempre é algo confortável e, na maioria das vezes, causa enormes dores de cabeça em qualquer gestor. Contudo, com o acelerado avanço da tecnologia e as recentes transformações causadas pela crise, a tão sonhada estabilidade se torna cada vez mais rara e obriga as organizações a encontrar novas maneiras de manter a competitividade.

Pen, Notebook, Notepad, Diary

Falar pode parecer fácil, mas lidar com esse dinamismo do mercado e obter o máximo de vantagem possível não é tão simples. De acordo com a Semcon, estima-se que 25% do PIB mundial seja gerado a partir de projetos, porém, apenas 30% deles alcançam o sucesso. Muitos enfrentam problemas, avançam na direção errada ou falham, resultando em grandes perdas de tempo, recursos e comprometimento.

Para reverter esse cenário e se colocar na vanguarda do segmento, diz Eduardo Carmello, CEO da Entheusiasmos Consultoria, é preciso que a companhia estabeleça um processo estruturado, com base em seis etapas igualmente importantes. O especialista compartilhou esse passo a passo durante nosso Webinar de Liderança e Gestão de Pessoas, realizado no dia 21/08.

DESIGN DO SISTEMA ORGANIZACIONAL

Para que esse processo seja mais eficaz e eficiente, é importante desenvolver um bom planejamento estratégico, que abarque os resultados pretendidos e garanta que a empresa caminhe na direção certa. Além disso, essa primeira etapa também é o momento para definir os líderes sponsors e apoiadores, atualizar o código de conduta, criar um sistema de incentivo e fortalecer o propósito do negócio.

“Não existe gestão de mudança sem sistema de incentivo para os colaboradores. Se você desenvolve a experiência certa no ambiente de trabalho, eles começam a acreditar no que está para acontecer e passam a fortalecer valores e crenças desejados. Com isso, os comportamentos certos vão ser desenvolvidos para que se alcance os resultados”, afirma Carmello.

COMUNICAÇÃO

Construir um projeto bem-sucedido requer um amplo programa de educação e comunicação, transmitindo a mesma mensagem sete vezes de sete formas diferentes. Para isso, de acordo com o CEO da Entheusiasmos, é melhor esquecer de newsletters, e-mails e discursos formais, e focar nos canais fortes: comunicação face-to-face, WhatsApp, palestras, reuniões em pequenos grupos e videoconferências.

Além disso, mais do que transmitir, é fundamental entender como as pessoas estão absorvendo determinada mudança, seja por meio de pesquisas estruturadas ou conversas informais. O importante é se certificar que o colaborador compreendeu as mensagens da forma correta.

EXPECTATIVA DE PERFORMANCE

Para Carmello, mais importante do que estar ciente da eventual transformação, é essencial que os funcionários tenham um entendimento claro sobre as expectativas de performance. “A mudança realmente acontece quando novos comportamentos e valores são inseridos no dia a dia da organização. Quanto mais você clarificar para a equipe o que será modificado e o que eles precisam desenvolver para mudar, mais chances você terá de desenvolver um projeto de sucesso”, garante.

ENGAJAMENTO

Em um processo de mudança, é essencial avaliar a jornada de experiência dos colaboradores, assim como mensuramos a experiência dos clientes. Fomentar e manifestar o senso de justiça, proporcionar instrução e feedback, além de eliminar ambiguidades de decisão, prioridades ou responsabilidades são práticas comprovadamente eficazes para aumentar o engajamento dentro da empresa.

“Mas, mais do que cuidar do engajamento dos peixes, é importante cuidar do aquário”, reflete Carmello. Afinal, não há melhoria de pessoas se não há transformação dos elementos orgânicos do sistema organizacional. Descentralizar decisões, comunicar de forma horizontalizada, eliminar camadas de liderança e fomentar a inovação são ações que podem ajudar na hora de transformar a cultura corporativa.

CAPACITAÇÃO

Depois que a equipe compreendeu o que acontecerá no futuro e o que ela precisará desenvolver neste novo cenário, é preciso investir em capacitação técnica e comportamental. “Ma,s quando você faz um projeto de inovação, os funcionários precisam ter pelo 20% do tempo livre para pensar e falar inovação. Você não faz inovação com a agenda lotada porque o novo não vai conseguir entrar na pauta”, diz o CEO da Entheusiasmos.

ACOMPANHAMENTO E PROGRESSÃO

Segundo Luiz França, Diretor de Recursos Humanos América do Sul da Kordsa, de nada adianta seguir todos esses passos se não houver um acompanhamento diário da progressão da mudança. Para isso, é aconselhado focar em alguns indicadores: financeiros, de engajamento, inovação e melhoria contínua. “Mas não só. O líder deve analisar indicadores, mas precisa olhar valores para entender que tipo de pessoa faz parte da organização”, defende. Coerência no processo, empatia e consistência também são fundamentais nesse momento.

A IMPORTÂNCIA DO LÍDER

Não adianta pintar as paredes se as pessoas estão cinza por dentro. “O papel principal do líder é fazer com que os colaboradores queiram voltar no dia seguinte para continuar essa jornada de evolução”, afirma França. Além disso, ao mesmo tempo que a liderança empodera e dá autonomia estratégica, é ela que tem força para traçar um caminho e se comprometer de corpo e alma para torná-lo realidade.

Fonte: Câmara Americana de Comércio